Uma Constelação de Fenômenos Vitais

Resenha



Havaa depois de perder sua mãe, vê seu pai sendo levado por soldados e se esconde na floresta para também não ser levada, a pedido do seu pai antes de ser pego. Depois de toda a confusão, Akhemed decide procurar pela menina e consegue encontra-la, já sabendo que eles voltariam para pegá-la se alguém delatasse decide levá-la a um único lugar seguro que conhecia. No hospital ele pede para chamar Sonja, uma mulher do qual nunca conheceu e só sabia seu nome e que era uma excelente médica.

Akhemed também é médico, mas entende mais de arte do que de anatomia. Para convencer Sonja a aceitar a ficar com Havaa ele propõe trabalhar no hospital. Entre idas e vindas, ele tem que driblar os maus da guerra, como: conseguir andar na floresta sem pisar em morteiro ou ser atacado por algum animal, tentar não ser pego, deixar sua esposa doente Ula em casa sozinha e lhe dar com ex amigo e vizinho para que este não o encontrasse e lhe entregasse para os soldados.

**

“Sonja não era apenas uma médica, ela era líder daquele hospital. As mulheres não deveriam ser médicas; elas não possuíam capacidade para o trabalho, instrução tempo e comprometimento, não quando tinham casas para limpar, filhos para cuidar, jantares a preparar e maridos para agradar. ”  (p.92)

“Vida: uma constelação de fenômenos vitais- organização, irritabilidade, crescimento, reprodução e adaptação. ” (p. 167)

“Milagres médicos são os únicos milagres que a maioria de nós verá um dia.” (p.279)

**

Difícil falar sobre a obra e não dar uma enxurrada de spoleir. Ao longo da leitura percebe-se que todos os personagens estão conectados e que todos têm uma história compartilhada e particular. Em meio ao caos, cada um encontrou da sua melhor forma uma maneira para sobreviver de todas as formas.

Apesar da história ser bem interessante, ressaltar não só aspectos da guerra, vida e sobrevivência, família, amor, trabalho x mulheres e seus direitos, sonhos...a leitura é muito lenta. Quando você pensa que já leu bastante, o máximo que conseguiu foram duas páginas, não chega ser cansativa, mas se torna uma leitura parada e alguns capítulos são piores que os outros no sentido de não avançar; principalmente quando não se trata do tempo atual, no caso 2004.

Para quem gosta desse estilo de leitura, uma obra de reflexão social e humana é ótima e a história é muito bem contada e narrada por mais de um personagem. Praticamente todos os personagens envolvidos narram a história.

**

Autor: Anthony Marra
Editora: Intrínseca
Edição:2014
Número de páginas: 334
Nota: 


Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger